terça-feira, julho 16, 2024
INICIALOpiniãoArtigosAmigos, eu vi – Anos 80 – Parte 106 - Nº 782

Amigos, eu vi – Anos 80 – Parte 106 – Nº 782

Há cerca de 40 anos, em Mogi Mirim, aconteceram fatos que vi, ouvi, li ou participei e que muitos de meus leitores, por certo, vão relembrar

– Implantadas as primeiras lombadas nas ruas de Mogi Mirim, substituindo as famigeradas tartarugas de nosso trânsito, com aplauso geral dos motoristas da cidade, também chamadas de valetas.

– Em janeiro de 1980, ocorreu grande rebelião de presos na antiga Febem. Os internos fugiram contando, inclusive, com resgate de marginais que estavam nas proximidades do prédio. Os mogimirianos se assustaram com a fuga e protestaram pedindo a desativação da Febem. O governo estadual prometeu desativar, mas oito meses depois a unidade recebia menores infratores em regime semi-internato.

– Em 1985, decidiu-se matricular os menores nas escolas da cidade, o que provocou nova polêmica. No mesmo ano surgiu proposta de municipalizar a Febem, atendendo menores carentes só de Mogi Mirim.

– No início de 1980, a cidade enfrentou um grave problema de abastecimento de água, principalmente nos locais mais altos. Medidas foram tomadas: reativou-se o antigo reservatório junto à sede do Saae; foram feitas limpezas e adaptações na adutora; aumentou-se a capacidade da bomba de captação no Rio Mogi Guaçu, de 115 para 160 litros por segundo.

– Um dos maiores acontecimentos policiais em Mogi Mirim ocorreu em 1984, quando foi assassinado, em circunstâncias misteriosas, o famoso colunista social Luiz Antônio Balzanello, o Tonhão, com grande repercussão na cidade. A polícia iniciou investigações na época para descobrir o autor do crime.

– Não foi bem-sucedido o primeiro dia do plano para estacionamento de carga e descarga de mercadorias, implantado pela Prefeitura. Carros de passeio ocupavam irregularmente os locais destinados aos caminhões, num abuso que aconteceu porque não foram colocadas as balizas demarcatórias que as entidades comerciais de Mogi Mirim haviam prometido.

– Em 1989, quando Mogi Mirim completava 220 anos de implantação do Município, um vasto programa de festividades foi decidido: no Centro de Exposição Comunitário Rural, rodeio com a participação do famoso Zé do Prato e show com a dupla Teodoro e Sampaio; na EEPSG Monsenhor Nora, jogos estudantis com a grande participação de alunos; no Centro Comunitário Rural, rodeio de animais e show com o cantor Sérgio Reis; no Clube Recreativo, baile festivo da Pérola Negra; na Praça Rui Barbosa, o Projeto Pedalando, com centenas de ciclistas percorrendo o trajeto Mogi Mirim/Martim Francisco; no último dia, show com a dupla Rouxinol e Sabiá.

PRECEITOS BÍBLICOS

“Sede sóbrios e vigiai, porque o demônio como adversário vosso, anda ao redor de vós, como um leão a rugir e buscando a quem devorar. Resisti-lhe fortes na fé, cientes de que os vossos irmãos, dispersos pelo mundo, sofrem tribulação idêntica. Porém, o Deus de toda a graça, aquele que nos chamou em Jesus Cristo à sua glória eterna, depois que tiverdes padecido um pouco, Ele vos aperfeiçoará, fortificará e consolará”. (Pedro 5,8-10)

Antiga residência de Nhô Tó Leite, umas das raras construções centenárias que restavam em Mogi Mirim, desafiando o tempo e os interesses comerciais. Em 22 de outubro de 2012, encerrou melancolicamente sua existência. Segundo comentários entre o povo, a culpa pela demolição estaria entre o proprietário atual e que não cumpriu promessa de conservar intacto o casarão e a Prefeitura, que abdicou de proposta privilegiada para aquisição do prédio e autorizou a demolição, sem considerar requisitos importantes como a destinação futura, aspectos históricos e urbanísticos.

TÚNEL DO TEMPO

8 de agosto de 1910 – Na sessão da Câmara dessa data, os vereadores capitão Claudio Celestinho e Dr. Francisco Alves dos Santos, indicaram à Câmara Municipal que, no orçamento de 1911, fosse consignada a verba de vinte contos de réis (20.000$000) para início do calçamento da cidade, com paralelepípedos. Foi definido que a primeira rua de Mogi Mirim a receber calçamento seria a Rua da Estação (Rua Conde de Parnaíba).

Livros – História de Mogi Mirim e Região

Mogi Mirim, nascida da bravura dos paulistas
(últimos exemplares)
A escravidão e o abolicionismo Regional
(esgotado)
Memórias Mogimirianas – Volume 1
(últimos exemplares)
Memórias Mogimirianas – Volume 2
(últimos exemplares)
Memórias Mogimirianas – Volume 3
Memórias Mogimirianas – Volume 4
(futuro lançamento)

Pontos de venda

– Banca da Praça Rui Barbosa – Mogi Mirim
– Papelaria Gazotto – Centro – Mogi Mirim
– Papelaria Carimbo Expresso – Mogi Mirim
– Papelaria Abecedarium – Centro – Mogi Guaçu
– Livraria e Papelaria Papiro – Mogi Mirim

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments