quinta-feira, julho 11, 2024
INICIALOpiniãoArtigosLiteratura para o reencantamento da vida

Literatura para o reencantamento da vida

Por Cléo Busatto

Que ler é condição básica para o exercício da cidadania, ninguém tem dúvida, mas reconhecer a importância da leitura literária, da subjetividade e da fantasia na formação do ser humano, ainda não é entendimento da maioria. Poucos percebem a literatura como uma linguagem simbólica capaz de revelar as diferentes dimensões do sujeito.

A literatura favorece o reencantamento pela vida. Existem livros que nos transformam e nos fazem pensar de uma forma como não tínhamos pensado antes. Permitem conhecer camadas da realidade desconhecidas até então. Livros que provocam alterações na nossa forma de ver, pensar, sentir e estar no mundo. Alteram as decisões, escolhas e mudam nossa vida.

Portanto, cabe a nós, leitores, pais e amigos; dimensionar e revelar os efeitos e afetos da literatura na vida das pessoas. Esta ação, que se inicia na sensibilização para a escolha do livro literário, dificilmente ocorre sem o papel de um mediador.

Promover a leitura literária é tarefa para uma pessoa já sensibilizada por ela. Este mediador é quem vai indicar os caminhos e compartilhar o prazer em ler. Formar leitores não é uma tarefa fácil. Exige do sujeito-leitor, um trabalho contínuo e dedicado, a fim de desvendar os meandros do texto na busca dos significados.

Para esta tarefa pede-se a intervenção de um sujeito-promotor-construtor-de-vivências-com-literatura, capaz de colaborar para a formação de outro, o sujeito-leitor-crítico-e-atuante. Ao promovê-la, compartilha o que tem de mais raro: seus sentimentos e experiência de vida. Ao ler ou contar histórias para o outro, abrimos o coração e nos tornamos cúmplices, seja daquilo que a história quer dizer, seja dos afetos provocados no ouvinte.

É tempo de olhar para a leitura literária e reconhecer que, a dimensão do sensível ativada por ela, é fundamental para o ato do conhecimento. Através das histórias descobrimos que sofrimento e prazer, alegria e tristeza, não são prerrogativas de poucos, de uma época ou cultura. Esses sentimentos nos lembram, que a busca pela paz e pela liberdade é universal, e que todos nós ansiamos por uma vida de amor, confiança e coragem, livre dos conflitos e dores. Para isto, têm as histórias, para isto, existe a literatura.

*Cléo Busatto é finalista do Prêmio Jabuti em 2016 com o livro A fofa do terceiro andar, artista da palavra, com mais de 40 obras lançadas que venderam em torno de 415 mil exemplares e autora do livro A última livraria da minha rua.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments