quarta-feira, junho 12, 2024
INICIAL☆ Destaque 2Os 90 anos da AEJC e os 50 anos do Lar Espírita...

Os 90 anos da AEJC e os 50 anos do Lar Espírita Maria de Nazaré

O período entre 26 de julho e 4 de agosto é especial em Mogi Mirim. É que, entre estas datas, nasceram duas instituições fundamentais para a nossa comunidade. E os aniversários nos trazem inspiração para contar e recontar histórias dos aniversariantes. Como um melhor amigo ou um amor inevitável, tratamos da Associação Espírita Jesus e Caridade e do Lar Espírita Maria de Nazaré com um imenso carinho. Nestas páginas, biografias resumidas de algumas das centenas de pessoas que, de alguma forma, escreveram capítulos de relação com estas entidades tão conectadas. Mas é impossível não trazer alguns detalhes dos aniversariantes, correto?

A “irmã mais velha” é a Associação Espírita Jesus e Caridade. Ela surgiu em 26 de julho de 1933, portanto, celebrou, recentemente, seus 90 anos. Ela substituiu uma antiga entidade, chamada “Regenerador e Caridade”. Mas é importante frisar que, até 10 de dezembro de 1956, a denominação era Centro Espírita Jesus e Caridade, passando para a nomenclatura atual nesta data, quando uma assembleia geral assim decidiu.

A primeira diretoria foi composta por José Gomes Ventoza, Oscar Massucci e João Carolino Silveira. E também teve um homem que tera sua história e nome confundidos com os da instituição: José Antonio Andrade Júnior, o Juca Andrade ou Vô Juca, como também era conhecido.

Na diretoria seguinte vieram Vitorina Joaquina Rosa, Rafael Jannini, Leopoldo Ladeira, Isaac Tiburcio Valeriano, Jonas de Oliveira Cintra, Heitor Moura, Antonio Moi, Joaquim Antonio Oliveira e Lino Patelli. E, depois, muitos e muitos outros mogimirianos vitais para a entidade e a causa. Aliás, no artigo primeiro do Estatuto Social ficou assim firmado: “Este Centro tem por fim praticar a caridade, sem interesse algum”.

O valor cristão foi mantido e as atividades seguidas e ampliadas. Juca e seus companheiros fizeram o espiritismo crescer na cidade, bem como as suas obras e olhar altruísta. Atualmente, com o crescimento ocorrido, a associação propaga a ‘Doutrina Espírita’ através de reuniões, eventos públicos, palestras e cursos; promove o estudo e a prática da Doutrina Espirita sobre o Tríplice aspecto Religiosos, Filosófico e Cientifico, disponibiliza uma biblioteca de obras espíritas; mantém um Hospital de apoio que acolhe pacientes sob cuidados prolongados que sofrem enfermidades neurológicas. A associação tem sua sede construída na Rua 13 de Maio, no número 140, no Centro de Mogi Mirim. Às segundas-feiras ocorrem palestras, prações e passes, sempre das 19h30 às 20h30. E às quartas-feiras tem bazar e brechó entre 13h e 16h.

Lar
Já o Lar Espírita Maria de Nazaré está situado na Rua Nelson Patelli, nº 79, no Parque da Imprensa. Em 1956 teve início a edificação de um prédio que, por falta de recursos, por tempo ficou inacabada. O projeto havia nascido em 1951, em uma reunião que ansiava pela criação do Lar e Educandário Dr. Miguel Couto, para amparar crianças órfãs e abandonadas, dando-lhes educação e qualificação profissional.

E aí, mais uma vez, Juca Andrade entrou em cena. Descontente com a inutilidade da obra, há tanto tempo parada, e estimulado por seu Espírito Protetor com quem se comunicava, decidiu, em 1970, assumir a responsabilidade de concluí-la e de destiná-la a um fim útil.

Assim, empenhou-se ao máximo para terminar o prédio, contando, para isso, com o apoio financeiro que recebeu do povo de Mogi Mirim. Depois de muito esforço, em 4 de agosto de 1973 foi inaugurado o Lar Espírita Maria de Nazaré. O objetivo era abrigar crianças excepcionais e, em 1988, foi firmado um convênio com o (SUS) Sistema Único de Saúde, tendo a entidade sido enquadrado pelo Ministério da Saúde como Hospital Especializado para atendimento ininterrupto a pacientes sob cuidados prolongados em enfermidades neurológicas. Hoje são acolhidos 54 pacientes na faixa etária de 18 a 80 anos.

Mas é importante voltarmos um pouco no tempo. Em 19 de julho de 1978, Juca Andrade, aos 83 anos, desencarnou. Humilde e dedicado à família, ao trabalho, à Doutrina Espírita, teve a vida, por muito tempo, voltada aos semelhantes, principalmente aos mais necessitados. São os exemplos de Juca e dos pioneiros destas entidades que proliferam até hoje, tornando as instituições locais de amor fraterno e onde se vai além da teoria na ajuda ao próximo. São espaços de prática de valores solidários, há décadas defendidos por estas associações fundamentais para Mogi Mirim.

Um legado de solidariedade

O nome Juca Andrade é tão marcante na vida destas instituições que, até hoje, o Lar Maria de Nazaré é chamado, por muita gente, pelo seu nome. E o vínculo, claro, seguiria com a família, em um literal legado do pioneiro.

Entre estes herdeiros está Geziel Andrade. Nascido em 17 de março de 1948, ou seja, apenas 15 anos após a criação da Associação Espírita Jesus e Caridade, ele é mestre e doutor em economia e autor de diversos livros espíritas.

“Eu nasci na família de José Andrade, que era filho de Juca Andrade. Então, desde criança, o meu contato foi direto com o meu avô Juca e a a vó Carmela, esposa de Juca”, relembra. Como todos os membros da família de Juca e Carmela eram muito unidos e ativos participantes da AEJC, ele também se integrei, muito cedo, nas atividades do Movimento Espírita de Mogi Mirim.

“Assim, inclusive, passei também a participar das atividades do Lar Maria de Nazaré, desde a sua inauguração, pois se tornou um departamento da AEJC”, conta Geziel, que já trabalhou em São Paulo (SP), residiu em Vinhedo (SP) e mora atualmente em Campinas (SP), mas sem jamais deixar de acompanhar de perto as atividades e realizações da AEJC e do Lar.

Inclusive, no último sábado, 29, esteve na festa dos 90 anos da AEJC. “A história da AEJC foi um dos acontecimentos históricos mais importantes em Mogi Mirim, não só pelas boas realizações ao longo do tempo, mas por ter conseguido reunir muitas pessoas maravilhosas da cidade, que participaram, ajudaram e financiaram a beneficiar incontáveis pessoas necessitadas e a engrandecer a AEJC. Para mim, é enorme a satisfação de ter convivido e relacionado com todas as pessoas maravilhosas que marcaram muitos momentos da história”.

Costurando com o coração

O trabalho voluntário dita o ritmo de uma instituição de caridade. A filantropia, para buscarmos uma palavra mais culta, é construída por mãos que pensam no próximo. Ou que costuram. Neuza Corari de Andrade entrou para a família de Juca ao se casar com Edson, um dos filhos de um dos pioneiros da AEJC e do Lar.

Durante muitos anos colaborou com os eventos promovidos pelas entidades, sobretudo com a festa junina, inclusive, desde a época em que o “Vô Juca” se fazia presente carnalmente. Porém, há cinco anos, desde que perdeu seu amado esposo Edson, é que Neuza colocou em sua rotina uma nova paixão.

“Tenho muito amor por vir costurar para eles. As minhas quartas são dias especiais”, revela. É que, exatamente nas tardes de quartas, ela e outras voluntárias costuram as roupas dos assistidos pelo Lar Maria de Nazaré. “A gente ajusta as roupas rasgadas, coloca elástico em bermudas, faz barra, essas coisas. E é tão gratificante poder ajudar, estar junto”, conta Neuza.

O convite partiu de Sueli Andrade Januário, vice-presidente da organização. No Lar Espírita Maria de Nazaré os pacientes são atendidos por uma equipe multidisciplinar, como enfermagem, serviço social, psicologia, fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição e dietética, administrativo, lavanderia e cozinha, limpeza, motorista e manutenção. E a costura está entre as atividades que ditam o ritmo solidário do lugar. Ações que, cada uma ao seu modo, trazem paz de espírito para quem ajuda e quem é ajudado. Nestes 90 anos da AEJC e 50 anos do Lar, as felicitações às instituições, sem jamais esquecer o quanto a humanidade ali presente é primordial para que o trabalho continue.

AJUDA!

Ajudar. Este verbo tão lindo pode ser conjugado de diferentes maneiras. Uma delas é com doações. Caso você possa colaborar com a Associação Espírita Jesus e Caridade e com o Lar Espírita Maria de Nazaré, procura a entidade. Os telefones para contato são (19) 3862-1448 e (19) 9 9738-8850.

Também é possível contatar por e-mail, através do larmariadenazare1@gmail.com. E quem já quiser (e puder, claro), ajudar financeiramente, a ‘chave PIX’ é o CNPJ da associação: 52.780.673/0001.05. A conta é no Banco Santander, cuja agência é a 0047 e a conta corrente (CC) 13001153-7. Faça como as empresas parceiras desta homenagem, como tantos profissionais e voluntários e até mesmo pessoas que, de forma anônima, incentivam as atividades destas entidades e das demais entidades de Mogi Mirim. Doe. Ajude. Siga o legado!

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments